ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Sem provas, Bolsonaro volta a lançar suspeitas sobre processo eleitoral: 'Podemos ter eleições conturbadas'


Presidente fez declaração durante evento com empresários do setor de alimentos e voltou a atacar a Justiça Eleitoral e o STF. Na última semana, o TSE realizou teste de segurança das urnas eletrônicas e respondeu as recomendações do Ministério da Defesa sobre o sistema eleitoral.



Bolsonaro no Apas Show 2022 — Foto: Reprodução/TV Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a questionar, sem provas, a integridade das eleições e do processo eleitoral brasileiro na tarde desta segunda-feira (16), durante evento com empresários da área de alimentos e bebidas em São Paulo.
Em discurso de aproximadamente uma hora, Bolsonaro declarou que "tudo pode acontecer" e citou "eleições conturbadas" ao se referir às eleições de outubro.
"O Brasil tem jeito, vocês foram excepcionais nessa pandemia, mas tudo pode acontecer. Podemos ter outra crise, podemos ter umas eleições conturbadas. Imagine acabarmos as eleições e pairar para um lado ou para o outro as suspeição [sic] que elas não foram limpas? Não queremos isso", disse o presidente.
Na última semana, o TSE realizou teste de segurança das urnas eletrônicas e, no dia 9, respondeu as recomendações feitas pelo Ministério da Defesa acerca do sistema eleitoral. Não há evidência de nenhuma fraude nas urnas ou no processo eleitoral.
Embora autoridades repitam diariamente que as urnas são seguras e de o próprio Bolsonaro já ter admitido que não tem elementos para apontar irregularidades, o presidente da República persiste na estratégia de criar suspeitas sobre o processo eleitoral.
A propósito, nesta segunda entidades e organizações da sociedade civil entregaram carta ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Edson Fachin, em “repúdio” aos ataques do presidente ao sistema eleitoral.
Na carta, o grupo afirma que é “inadmissível” que Bolsonaro atue de “forma exatamente oposta a seus deveres jurídicos e institucionais, atacando de forma periódica, reiterada e sistemática o sistema eleitoral brasileiro, dirigindo-lhe críticas infundadas, dúvidas e afirmações desprovidas de respaldo técnico e racional”.
As entidades ainda dizem que não vão aceitar a “condição de reféns de chantagens e ameaças de ruptura institucional”.

Ataques

Ao longo do discurso, Bolsonaro atacou Lula, pré-candidato do PT à Presidência e atual líder das pesquisas de intenção de voto, o Supremo Tribunal Federal e o Tribunal Superior Eleitoral.
"Ou nós decidimos no voto para valer, contabilizado, auditado, ou a gente se entrega. E se se entregar, vocês vão levar 50 anos ou mais para voltar à situação que está hoje em dia", afirmou o presidente. Jair Bolsonaro (PL) chegou a São Paulo no fim da manhã desta segunda-feira (16).
Ele disse também que nunca será preso: "Mais da metade do meu tempo eu me viro contra processos. Tem gente que até fala que vou ser preso. Eu juro por Deus que está no céu. Eu nunca serei preso".



Presidente Jair Bolsonaro durante evento da Apas Show — Foto: Reprodução/TV Brasil

O presidente cumpre agenda na capital paulista. Antes da cerimônia, Bolsonaro participou de um almoço com cerca de 600 empresários e autoridades na abertura do evento.

Sistema eleitoral é seguro

Na semana passada, o presidente do TSE, Edson Fachin, sem citar Bolsonaro, defendeu a segurança das urnas eletrônicas e cobrou que todos os Poderes "digam, sem subterfúgios, que vão respeitar o processo eleitoral de outubro de 2022". Afirmou ainda que não permitirá "a subversão" do processo.
Fachin declarou ainda quem trata das eleições são as "forças desarmadas": "Quem trata de eleição são forças desarmadas e, portanto, dizem respeito à população civil, que de maneira livre e consciente escolhe seus representantes. Logo, diálogo sim, colaboração sim, mas a palavra final é da Justiça Eleitoral".
"País e sociedade agradecem. Vamos ter, dia 2 de outubro — o Brasil terá —, eleições limpas, seguras, com paz e segurança. Ninguém e nada interferirá na Justiça Eleitoral. Não admitimos qualquer circunstância que impeça o brasileiro de se manifestar", afirmou Fachin.
O presidente do TSE tem feito um contraponto às tentativas sem provas de Bolsonaro desqualificar o sistema eleitoral.

Nenhum comentário